Pular para o conteúdo principal

Idiocracia

Meritocracia realmente existe? quais os critérios para distinção de funcionários e seus méritos?

    A meritocracia é o jargão da moda nas empresas. Por esse conceito os colaboradores mais capazes e merecedores de reconhecimento são alçados à novas posições. A qualidade do capital humano e sua importância atingem um novo patamar, se tornando parte da gestão estratégica da empresa.


 Infelizmente a prática nos apresenta outra realidade. Na maioria absoluta das empresas o crescimento profissional está condicionado a critérios subjetivos ou objetivos demais.

   Os critérios subjetivos envolvem relacionamentos. Quanto mais bem relacionado e bem quisto for um funcionário, maiores suas chances de evoluir na empresa. Perceba: relacionamento não é um sinônimo de qualidade e sim um fator positivo no trabalho em grupo. O fato de uma pessoa trabalhar bem em grupo não diz nada sobre os resultados deste trabalho. Em geral o superior direto busca analisar o perfil dos funcionários, sendo que o mais alinhado com suas idéias tende a crescer na empresa. Mas será que existe uma única linha de pensamentos correta dentro da empresa?

    Já os critérios super-objetivos analisam números. Vou exemplificar com uma equipe de vendas: o vendedor com melhores resultados tem melhores perspectivas de crescimento, independente dos dados mercadológicos e dos meios utilizados para o alcance do objetivo. Existem clientes de melhor potencial assim como regiões mais propícias à oferta de certos produtos e serviços. E sempre é possível perceber dentro de uma equipe 2 grupos : os que trabalham pelos resultados e os que se beneficiam com os resultados. Não é incomum que a prospecção de um vendedor se torne um cliente da carteira de outro. É possível ser objetivo na escolha do profissional ascendente, mas números bastam por si só para definir uma promoção?

    Meritocracia é um tema delicado. Por mais inteligente e glamoroso que soe, os critérios escolhidos para definição dos merecedores de reconhecimento tendem a outra perspectiva: a Idiocracia.

    Quando um líder define subjetivamente seu escolhido à promoção, está buscando um perfil convergente com o seu. E isso tende a manter um único posicionamento sobre processos e sobre os objetivos da empresa. São as diferentes idéias que agregam valor. É fácil perceber que são justamente as discussões sobre diversos temas dentro de uma equipe que tornam mais forte e inteligente o caminho a ser traçado para o alcance de um objetivo comum. Perfis e pensamentos muito semelhantes formam uma mediocridade nociva dentro de qualquer organização.

    Já a definição super-objetiva dos merecedores de novas posições traz um revés interessante: o esquecimento do planejamento a médio e longo prazos. Gestores promovidos por critérios assertivos em demasia tendem a supervalorizar os resultados. Afinal, foram os resultados que os alçaram ao novo cargo. A cobrança sobre a equipe tenderá a ser focada apenas em resultados obtidos, o que prejudica a sociabilidade entre as pessoas da equipe. Quando se tem critérios estritamente objetivos para definição de mérito, a competição entre os membros de uma equipe cresce exponencialmente. A curto prazo é possível o alcance de bons resultados, mas o desgaste das relações tende a minar os resultados a médio e longo prazos.

    A saída é o bom senso. Critério objetivos devem ser a base para a tomada de decisões, mas sempre amparadas pela visão crítica subjetiva do gestor. O RH tem uma função valiosa nesse momento: buscar indicadores que auxiliem nessa decisão. Testes de perfil, raciocínio lógico e quantitativo, tomada de decisões e testes de conhecimento técnico podem direcionar o plano de carreira dos colaboradores.

    Tendo em mãos os resultados objetivos, as análises de perfil e o feeling do gestor, se torna fácil decidir sobre uma promoção quando surgir a oportunidade. Mas quantas empresas você conhece que trabalham dessa maneira?


Alex Kunrath
Consultor Sênior IDAti
alex@idati.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Manual de Vendas Externas

Um cliente me solicitou um modelo de manual de vendas externas, focadas em vendas de cursos, desde técnicos até mestrados. Abaixo segue uma linha básica deste manual, sendo focado em vendedores de pouca experiência e de segundo grau. Uma boa revisão de diversos pontos sobre a arte das vendas. Aproveite.
____________________________________; MANUAL DE VENDAS - GERAL
                                               Introdução:
    Existe alguma fórmula secreta que transforme atendentes em vendedores? Será que existe o dom em certas pessoas que receberam a dádiva da venda? A resposta é não.     Então, o que torna uma pessoa interessada em negociações em um vendedor? Carisma, persistência, força de vontade ... são excelentes características para um vendedor, mas não são o que o torna um profissional de sucesso. Pense em um esportista: é uma pessoa com um dom, mas sem muito treino e prática nunca será um profissional, quanto mais um destaque em sua área.     É por isso que elaboramos este M…

Tartarugas sobre Postes

Muitas vezes cedemos ao impulso de sobrevalorizar pessoas nas quais confiamos. Escolhemos pessoas que nos são caras, que criaram um vínculo emocional conosco. E que se tornam leais com o passar do tempo, parceiras em momentos de necessidade. Pessoas que devem sim ser valorizadas. Mas quando você valoriza essa pessoa, está pensando na organização ou nos seus valores pessoais? Perceba, pessoas possuem perfis ou afins ou díspares. E não é porque não temos uma boa comunicação com uma pessoa de um perfil antagônico ao nosso que ela se torna menos competente. Assim como pessoas que criam afinidade, elos emocionais conosco, não necessariamente são mais competentes. Gestão envolve decidir. E nem sempre estamos preparados para decidir corretamente. Humanos são seres extremamente sociais. E afinidades são caras para nós. Então quando surge uma boa oportunidade de promover alguém da sua equipe você simplesmente pesa mais afinidades que competências. Afinal, por que premiaria aquela pessoa insuportáve…

Trabalho Prisional: Responsabilidade Social e Vantagem Competitiva

Como utilizar a mão-de-obra prisional? quais as vantagens para os presos e para a empresa? sua empresa será Responsável Social se incluir o trabalho prisional em sua sistemática produtiva? o que você lucra com isso? Esse é um guia sobre o trabalho prisional e sobre sua utilização por parte de uma empresa.


A alta tributação imposta pelo Estado brasileiro exige das empresas a busca pela eficiência, com custos cada vez mais reduzidos e preços cada vez mais competitivos. Países em desenvolvimento tornaram-se concorrentes na busca por espaços no mercado mundial, principalmente porque muitos destes são regidos por legislações mais flexíveis, favoráveis às empresas locais, as quais obtêm vantagens tributárias e trabalhistas que se refletem em produtos de baixo custo e alta competitividade.
Concomitantemente, cresce no Brasil o movimento da Responsabilidade Social. A população brasileira está cada vez mais atenta à participação das empresas em atividades dessa natureza. O desenvolvimento socia…