Recessão: perigo ou oportunidade?

Muitos prognósticos assustadores têm surgido nos últimos meses, decretando uma crise que se tornará um imenso choque no mercado brasileiro e, consequentemente, na América latina. Porém, o caminho certo é se assustar ou se preparar para ganhar mercado?

Os que se assustam com o prognóstico de uma recessão são aqueles que foram reativos até o presente momento. Perceba: já está desenhado a anos o cenário atual. E, se o pior ainda está por vir, por que os empresários, em geral, não se prepararam?

Amigo leitor, temos aqui dois perfis de gestores a analisar (Vamos excluir aqueles que trabalham em mercados estáveis, commodities ou no setor financeiro, nos atendo à nossa realidade – somos predadores disputando cada palmo do mercado):

      1)      Inovadores, que buscaram novas técnicas e estratégias para guiar seus negócios (e esses, apesar de todo o cenário negativo, não estão com medo).

      2)      Reativos, que quando surge uma variação econômica se assustam, demitem, perdem grande parte de sua rentabilidade e correm atrás de soluções mágicas para seus negócios.

Para uma empresa em um mercado altamente competitivo, só interessa a inovação. Sim amigo, você precisa inovar e se diferenciar, seja em termos de produtos, serviços, logística ou gestão de tempo dos seus clientes.

John D. Rockefeller, um dos gigantes da história da indústria, teve seu auge nos negócios justamente quando seus concorrentes se desesperaram com a crise econômica sem precedentes que atingia seus negócios. Com sua empresa, a Standard Oil, chegou a refinar quase 90% do petróleo mundial.
E por quê? Porque a crise era uma oportunidade de expandir seus negócios: de comprar empresas em situação falimentar, de impor negociações desiguais a seu favor. Ele estava preparado para a crise e havia planejado todos os detalhes do seu processo de expansão. Os demais foram tragados por um cenário econômico desfavorável.

No Brasil temos o exemplo do Plano Collor: quando este abriu a economia brasileira, retirando proteções econômicas clássicas que tornavam confortável a situação do empresariado brasileiro, a ampla maioria destes empresários simplesmente faliu.

Quem sobreviveu? Quem modernizou sua produção, quem investiu se preparando para competir no mercado internacional.

A última década parece ter anestesiado muitos dos empresários brasileiros. O crescimento do crédito, a entrada de consumidores antes excluídos do mercado, um sentimento de “bonança econômica" engessou diversos empresários no país. E agora esses empresários estão com medo.

Se você não é um inovador, busque auxílio. Contrate pessoas de excelência para sua equipe. Modernize sua gestão agora e tente resistir à tempestade que se aproxima.

Com certeza a ampla maioria dos seus concorrentes agora está apertando o cerco às suas equipes comerciais, fazendo promoções e tentando resistir no mercado perdendo o mínimo de rentabilidade. Mas essas ações desgastam as equipes, extenuam as negociações com seus clientes e fornecedores. Se a situação econômica se agravar e a crise chegar ao nosso país com a força que alguns analistas prevêem, em breve essas ações de simples ajuste de custos e de vendas serão insuficientes até para a garantia a obtenção de margens mínimas de rentabilidade.

O caminho é modernizar sua gestão. Modernizar não necessariamente envolve tecnologia amigo: envolve práticas e estratégias. Envolve pensar o seu negócio e o futuro do seu mercado. A entrada ou saída de certos mercados, a gestão do mix de produtos e serviços, assim como a gestão eficiente de sua equipe e de sua carteira de clientes.

Você ainda tem tempo, mas corra!

Agora uma dúvida para você responder: qual vai ser sua versão sobre as dificuldades dos próximos anos? A de quem venceu, se diferenciou da concorrência e teve seu auge com a queda da ampla maioria dos concorrentes ou a versão daquele que faliu porque a economia estava ruim para seus negócios?

Sorte é para os despreparados. Prepare-se para que apenas seus concorrentes se agarrem a ela.

Alex Kunrath
Consultor Sênior IDAti
alex@idati.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário